Telefone C6 Bank: WhatsApp, Central de Atendimento, Chat

Descubra o telefone C6 Bank através deste post e ainda confira outras formas de entrar em contato com essa empresa. Além disso, aproveite para tirar algumas dúvidas sobre o C6 Bank, veja se esse banco é confiável e muito mais.

O C6 Bank é um banco digital que está fazendo o maior sucesso no Brasil. Esse banco oferece diversos serviços como conta corrente, cartão de crédito, opções de investimento, C6 Bank Consignado, C6 Bank Tag de pedágio, conta PJ e PF, entre outros. E todos esses serviços são oferecidos aos clientes com condições exclusivas e sem burocracia.

Como ser atendido no C6 Bank

O C6 Bank é um dos maiores bancos digitais que existe atualmente. Ele foi criado no ano de 2018, pelos ex-executivos do banco BTG Pactual, que são: Carlos Fonseca, Marcelo Kalim, Leando Torres e Luiz Marcelo Calicchio.

Além dos serviços oferecidos por esse banco serem um destaque, ele também disponibiliza um bom suporte de atendimento para seus clientes que é implementado de várias formas, como e-mail, telefone, WhatsApp, etc. Então, se quer entrar em contato com esse banco logo abaixo vamos mostrar como fazer isso.

1- Qual é o Telefone C6 Bank?

  • 3003-6116 – Para capitais e regiões metropolitanas;
  • 0800 660 6116 – Para demais localidades.
Esses são os números de telefone do C6 Bank para entrar em contato com esse banco por meio de ligação. Portanto, se está precisando de um atendimento rápido e eficiente, saiba que o melhor jeito de se comunicar com esse banco é por meio de ligação.

2- Qual é o WhatsApp C6 Bank?

O WhatsApp se tornou a principal ferramenta de comunicação entre as pessoas, por meio desse aplicativo é possível enviar mensagens de texto, imagens, vídeos, documentos em PDF, figurinhas e ainda tem como fazer ligação de áudio e vídeo gratuitamente.

O C6 Bank está sempre inovando e buscando o melhor para seus clientes e, por isso, esse banco disponibiliza um número para seus clientes entrarem em contato através do WhatsApp. Então, saiba que o número do WhatsApp do C6 Bank é: +55 (11) 2832-6088.

3- Qual é a Central de Atendimento C6 Bank (SAC)

  • 3003-6116 – Para capitais e regiões metropolitanas;
  • 0800 660 6116 – Para demais localidades.

Esses são os números do SAC do C6 Bank. O SAC é o Serviço de Atendimento ao Consumidor que é a forma direta de comunicação entre cliente e empresa. Para tirar dúvidas, fazer reclamações e solucionar algumas questões, primeiro é preciso entrar em contato com o SAC para tentar resolver.

4- Como falar com o chat do C6 Bank

O C6 Bank conta com um chat no aplicativo onde os clientes podem entrar em contato para resolver qualquer questão. Confira agora o passo a passo de como falar com o chat do C6 Bank:

  • Entre na sua conta pelo aplicativo do C6 Bank;
  • Busque o ícone de atendimento e toque nele;
  • No começo você vai receber suporte da assistente virtual desse banco;
  • Se quiser falar com um atendente, então digite no chat um dos seguintes termos: Banco Central, Banco C6 SA, Não consigo falar com o C6 Bank;
  • Depois de enviar um dos termos, toque na opção Especialista;
  • Feito isso você será transferido para um atendente.

5- Qual é o e-mail do C6 Bank?

O e-mail faz parte do SAC do C6 Bank, inclusive o canal de suporte aos clientes desse banco só pode ser acessado pelo chat no aplicativo, pelo e-mail ou pelo telefone. Se quer falar com o C6 Bank pelo e-mail, saiba que o contato é: faleconosco@c6bank.com.br

Logo C6 Bank

Como fazer uma reclamação contra o C6 Bank

Existem diversas maneiras de fazer uma reclamação contra o C6 Bank. Porém, antes de recorrer a métodos superiores você precisa ter tentado resolver o seu problema diretamente com esse banco, por meio dos canais de atendimento do SAC e também da ouvidoria.

Se mesmo recorrendo aos meios diretos de comunicação com o C6 Bank você não conseguiu uma solução eficiente, então saiba que você pode fazer uma reclamação contra esse banco no site Reclame Aqui, no Procon ou pode até recorrer à justiça se o caso for mais sério.

Quem é o dono do C6 Bank?

O C6 Bank foi criado por Leandro Torres, Marcelo Kalim, Carlos Fonseca e Luiz Marcelo Calicchio. Após poucos meses da criação, Carlos Fonseca deixou a organização. E em 2021 o grupo JP Morgan anunciou a compra de 40% do C6 Bank.

C6 Bank é confiável?

Essa é uma dúvida de muitas pessoas, se o C6 Bank é ou não confiável. Saiba que esse banco é sim confiável, inclusive ele possui toda estrutura e tecnologia suficientes para oferecer os melhores serviços. É muito difícil encontrar um cliente desse banco insatisfeito, pois o C6 Bank está sempre buscando as melhores soluções para oferecer aos seus clientes.

Então, o C6 Bank é sim um banco confiável. E se quer saber mais sobre a avaliação dos clientes em relação a esse banco você pode acessar o site Reclame Aqui, pois nele tem como conferir tudo o que os clientes acham sobre esse banco, as principais reclamações, nota geral e muito mais.

Cartão C6 Bank tem anuidade? Qual o limite inicial

O C6 Bank oferece aos clientes três tipos de cartões e somente um possui anuidade. O banco C6 Bank oferece vários benefícios para seus clientes, não é atoa que mais de 7 milhões de pessoas já escolheram o C6 Bank. Esse banco oferece um cartão de crédito e débito com a cor e o nome que o cliente quiser, oferece pontos que não expiram e muito mais.

Em relação ao limite inicial do cartão C6 Bank, saiba que não existe nada definido. O limite inicial estabelecido por esse banco depende de vários fatores e pode variar entre R$50,00 à R$2.000,00. O C6 Bank define o limite dos clientes mediante a análise de renda e de patrimônio.

Para definir o limite inicial dos clientes o C6 Bank faz uma análise da saúde financeira do cliente, o histórico financeiro e ainda consulta o score do cliente no Serasa. Tudo isso para entregar o melhor limite inicial para o cliente, para que assim ambos os lados fiquem protegidos e seguros. Portanto, o limite inicial varia de cliente para cliente de acordo com as características individuais de cada um.

Como fazer reclamações contra empresas

Se já tentou encontrar uma solução eficiente com o SAC e a ouvidoria da empresa e não conseguiu uma resposta efetiva, então saiba que você pode recorrer a um dos canais que vamos mencionar logo abaixo.

Procon

O Procon é um órgão vinculado aos governos municipais e estaduais que atuam na defesa dos direitos dos consumidores. Toda pessoa física ou jurídica pode recorrer ao Procon para fazer reclamações. Atualmente, a maioria dos Procons estão presentes com sistemas próprios na internet, inclusive, o Procon de São Paulo é um deles.

Para fazer uma reclamação no Procon é só ir presencialmente nos postos de atendimento que estão disponíveis na maioria das cidades brasileiras ou então acessar o site, caso o Procon da sua localidade esteja presente na web. Fique sabendo que não há cobranças de taxas para esse auxílio.

Portanto, o intuito principal do Procon (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) é proteger e defender os direitos e interesses dos consumidores. Ele é responsável por auxiliar a intervir conflitos entre os consumidores e as empresas de forma a tentar solucionar todas as questões.

consumidor.gov.br

O consumidor.gov.br é um serviço público monitorado pela Secretaria Nacional do Consumidor, o Senacon. Esse serviço permite a interlocução direta entre consumidores e empresas para solução de conflitos de consumo pela internet. Atualmente, cerca de 80% das reclamações registradas nesse site são solucionadas pelas empresas, que respondem as demandas dos consumidores em um prazo de cerca de sete dias.

Portanto, essa plataforma possibilita a resolução de conflitos de consumo de forma prática e sem burocracia. Então, caso tenha se sentido lesado de alguma forma, confira se a empresa está na lista de participantes do projeto, e se tiver é só postar a reclamação. A empresa tem até dez dias para conferir e responder o consumidor.

Reclame Aqui

O Reclame Aqui é um site de reclamações muito eficiente, que oferece serviço gratuito tanto para os consumidores postarem suas insatisfações, quanto para as empresas responderem a elas. Por meio dessa plataforma os consumidores podem fazer reclamações sobre atendimento, produtos, serviços, venda, compra, etc.

A plataforma do Reclame Aqui é muito eficiente para os consumidores, e para fazer uma reclamação nesse site é só fazer o cadastro com seus dados pessoais e depois mandar a sua reclamação. Porém, antes da reclamação ser postada ela é analisada pela plataforma, pois o site possui algumas regras e não permite conteúdo ofensivo.

Geralmente, boa parte das empresas tentam resolver os problemas dos seus clientes expostos no site. Isso porque o Reclame Aqui é um site público, onde todas as pessoas tem acesso e podem conferir as avaliações e reclamações contra as empresas. Se uma empresa não tem uma boa avaliação no site, então ela não é considerada confiável pelos clientes.

Atualmente, praticamente todas as pessoas conhecem o Reclame Aqui, e ele está sendo muito eficiente para diversos usuários da plataforma. Através dessa plataforma é possível verificar se uma empresa é ou não confiável para se adquirir algum produto ou serviço.

proteste.org.br

A Proteste é uma associação que atua na defesa e no fortalecimento dos direitos dos consumidores brasileiros. Ela é a maior associação de consumidores da América Latina. A Protese é uma associação sem fins lucrativos que apoia os brasileiros em suas escolhas diárias de compras e contratação de serviços. Ela está há mais de 18 anos no Brasil, fornecendo sempre as melhores soluções de consumo para a população.

A principal missão da Protese é promover o equilíbrio entre consumidores, fornecedores e órgãos reguladores, contribuindo para o aprimoramento das relações de consumo na sociedade. Essa empresa é especializada em testes de qualidade, avaliações de produtos e comparação de produtos e serviços, onde o foco principal é ajudar os consumidores a lutarem por seus direitos.

Para obter auxilio da Protese, então é só entrar em contato com essa empresa pelo site ou telefone e relatar o seu problema. Saiba que a Protese vai te orientar de forma detalhada como proceder de maneira a resolver os problemas. Quem é associado, a própria Protese consegue atuar com profissionais especializados.

Defensoria pública

Também é possível buscar ajuda junto de um defensor público. A defensoria pública oferece assistência jurídica integral e gratuita, ela é uma instituição essencial à função jurisdicional do estado, incubindo-lhe a orientação jurídica e a defesa, em todos os graus, dos necessitados.

Juizado especial

É possível recorrer a um juizado especial para resolver um problema em uma relação de consumo. Para isso, o consumidor pode entrar com uma reclamação em um juizado especial civil, que são específicos dos tribunais de justiça de cada estado, praticamente todas as pessoas tem acesso a esse recurso.

As reclamações podem ser realizadas em escrito, com cópias de alguns documentos como identidade, CPF, comprovante de residência, nota fiscal, boleto, entre outros recursos que comprovem o processo. Os juizados especiais tentam resolver os processos por meio de audiências de conciliação.

Diferença entre SAC e Ouvidoria

Existem diferentes formas de se comunicar com uma empresa, mas isso é algo individual, pois as empresas podem disponibilizar canais de comunicação diferentes para os clientes entrarem em contato. Inclusive, algumas empresas deixam em evidência esses meios de comunicação, enquanto outras deixam mais ocultos esses meios de contato.

Normalmente, a maioria das empresas utilizam o SAC e a ouvidoria como canais de comunicação. Mas, muitas pessoas acabam confundido esses meios de contato e é importante deixar claro que eles tem diferenças, e a principal delas é o tipo de atendimento realizado em cada um.

A diferença entre SAC e ouvidoria está em como cada um desses meios atende chamados dos clientes. Enquanto o SAC atende principalmente dúvidas, solicitações e reclamações, a ouvidoria já é a última instância de atendimento que o cliente pode recorrer, é um canal aberto para solucionar conflitos entre os interesses do cliente e da empresa. Um cliente que recorre a ouvidoria, provavelmente já tentou resolver o seu problema pelo SAC.

O que é Ouvidoria?

A ouvidoria é um espaço que funciona como uma ligação entre a população e as empresas. Esse é um serviço aberto ao público para escutar as denúncias, sugestões, reivindicações, reclamações e para tentar resolver questões que não conseguiram ser solucionadas pelos outros meios de contato.

Portanto, de forma resumida, a ouvidoria nada mais é do que um setor da empresa designado a ouvir o cliente, como o próprio nome já diz. Porém, ao contrário do SAC ele não serve para o primeiro contato. A ouvidoria é o meio de comunicação que tem foco específico na solução dos problemas que não foram resolvidos pelos meios tradicionais de comunicação.

A ouvidoria é a última instância de resolução com uma empresa, que só deve ser acionada quando todos os outros departamentos falharem no quesito de deixar o consumidor satisfeito. Portanto, a última tentativa do cliente resolver um problema diretamente com uma empresa é pela ouvidoria.

O que é SAC

O SAC é um meio de comunicação direto entre cliente e empresa para solucionar problemas, tirar dúvidas, fazer reclamações e propor melhorias. Inclusive, o SAC é responsável por mediar conflitos e fortalecer o relacionamento com o consumidor, o que é algo muito importante.

SAC significa Serviço de Atendimento ao Consumidor. Esse canal de comunicação tem o intuito de ser um recurso voltado a estabelecer contato direto entre clientes e empresas, através de canais de comunicação e informação. Ele pode ser usado pelo consumidor para tirar dúvidas, fazer reclamações, solicitar informações, etc.

Algumas empresas de certos segmentos precisam obrigatoriamente possuir SAC, pois é regulamentado por lei. Portanto, o SAC é o meio de contato direto entre o cliente e a empresa e ele deve ser o primeiro canal de atendimento que um cliente deve recorrer quando precisa falar com uma empresa.

Qual a diferença entre SAC e Ouvidoria

O Serviço de Atendimento ao Consumidor mais conhecido como SAC e a ouvidoria são dois canais de comunicação muito importantes para garantir que os consumidores tenham acesso a uma empresa, seja para elogiar, reclamar, tirar dúvidas, enviar sugestões, etc.

Mesmo que pareçam similares de primeiro instante, o SAC e a ouvidoria são canais diferentes. O SAC foca principalmente em atender problemas rotineiros, atuando de forma corretiva e operacional. Já a ouvidoria trata de problemas excepcionais, atuando de forma estratégica.

Portanto, a diferença entre SAC e ouvidoria é bem simples de compreender. O SAC atende chamados dos clientes em relação a dúvidas, solicitações e reclamações e é o contato direto entre consumidor e empresa. A ouvidoria é a última instância de atendimento, sendo um canal para solucionar conflitos entre a empresa e o cliente, para acionar a ouvidoria o ideal é que o cliente já tenha tentado resolver a sua questão diretamente com o SAC.

Para quem recorrer?

Essa é uma dúvida muito comum, para quem recorrer: SAC ou ouvidoria? E isso vai depender de vários fatores, como: se vai ser o primeiro contato do cliente com a empresa, se ele já recorreu a outros meios de contato da empresa e não conseguiu uma solução eficiente, entre outros.

Saiba que o primeiro contato que um cliente deve ter com uma empresa é pelo SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor). O cliente só pode acionar a ouvidoria como última tentativa de solucionar o seu problema diretamente com a empresa, antes de recorrer a meios superiores.

Portanto, primeiro o cliente deve entrar em contato com a empresa pelo SAC, e somente se ele não conseguir resolver a sua questão por esse canal de atendimento que ele deve recorrer a ouvidoria. A ouvidoria deve ser a última alternativa para tentar solucionar um problema direto com uma empresa, caso o cliente não tenha encontrado solução eficiente pelos outros meios de contato, como é o caso do Serviço de Atendimento ao Consumidor.

Sobre o Código de Defesa do Consumidor

Existe uma legislação brasileira que garante a proteção dos consumidores defendendo os direitos deles em relação às práticas erradas do mercado. Por isso, é essencial conhecer esses direitos, pois é uma maneira de exercer a cidadania e também de melhorar os serviços e produtos do mercado.

O Código de Defesa do Consumidor nada mais é do que uma lei que trata das relações de consumo em todos os setores: civil, definindo as responsabilidades e os mecanismos para a reparação de danos causados; administrativa, definindo os mecanismos para o poder público atuar nas relações de consumo; e penal, determinando novos tipos de crimes e as punições para eles.

Até o início da década de 90 não existia o Código de Defesa do Consumidor, quando surgiu a lei as relações de consumo tiveram um grande avanço, se tornando um marco na defesa dos direitos dos consumidores. A lei garante ao consumidor mecanismos para exercer a sua cidadania e também entender sobre os direitos é essencial para evitar prejuízos.

Direitos básicos do consumidor

Os direitos básicos do consumidor estão contidos no artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor, onde estão definidos as normas de proteção e defesa ao consumidor, englobando uma lista básica para que o consumidor conviva no mercado com dignidade. Confira quais são os direitos básicos do consumidor:

  • Direito à vida, saúde e segurança;
  • Direito à educação, liberdade de escolha e informação adequada;
  • Direito à proteção contratual;
  • Direito à proteção contra publicidade enganosa e abusiva;
  • Direito à prevenção e reparação de danos;
  • Direito à facilitação de acesso a justiça;
  • Direito ao serviço público eficaz.

Direitos do Consumidor em devolução

O Código de Defesa do Consumidor comanda as relações de consumo, e nele está estabelecido que as trocas devem ocorrer quando a mercadoria tiver algum tipo de problemas ou defeitos, de acordo com os artigos 18 e 26 do CDC (Código de Defesa do Consumidor).

Além disso, quando acontece divergências entre o produto mostrado e o que foi comprado as empresas também precisam aceitar a devolução. O consumidor também possui o direito de desistir da mercadoria ou do serviço adquirido no prazo de sete dias.

E a lei determina que, em caso de defeito, o consumidor pode reclamar no prazo de até trinta dias se for uma mercadoria não durável e até noventa dias se for uma mercadoria ou serviço durável. Sendo assim, as empresas precisam recolher a mercadoria para o devido conserto, e a devolução precisa acontecer no prazo de trinta dias.

Caso não aconteça dentro desse prazo, o consumidor tem algumas opções, são elas: receber outro item, receber a restituição do valor pago ou então ele pode ter o abatimento do valor, se escolher ficar com a mercadoria. Além disso, o consumidor tem o direito de arrependimento que é válido para produtos que não estejam danificados.

O cliente recorre ao direito de arrependimento geralmente porque adquiriu um item que não agrada ou não serve, sendo assim, é possível pedir a devolução ou a troca. De qualquer forma, é essencial ter em mãos a nota fiscal do produto adquirido para facilitar no processo de devolução.

Direitos do Consumidor em compras pela internet

Confira agora os direitos do consumidor em compras pela internet e saiba mais sobre um pouco de cada um desses direitos:

  • Direito de acesso às informações da empresa: De acordo com um decreto mais conhecido como Lei do E-commerce, as empresas do comércio eletrônico são obrigadas a deixar dados como nome empresarial, número do CNPJ, endereço físico e eletrônico, informações para contato e localização tudo em destaque.
  • Direito de acesso a informações claras sobre o produto: É obrigação da empresa deixar de forma clara todas as informações e condições dos produtos oferecidos.
  • Direito de arrependimento de até sete dias: Quando uma compra é feita fora do estabelecimento comercial, o consumidor possui o direito de desistir do negócio em até sete dias úteis. E, o consumidor não pode ter custo algum e nem precisa dar justificativa dentro desse prazo. Os sete dias são contados a partir do recebimento do produto ou assinatura do contrato.
  • Direito à devolução e troca: Depois dos sete dias do direito de arrependimento, o consumidor ainda pode devolver ou trocar um produto sem custo se ele apresentar algum tipo de imperfeição, dano, problema ou defeito.
  • Direito à garantia: Além da garantia legal, também existem outros dois tipos de garantias oferecidos no mercado que é a garantia contratual e a garantia estendida.
  • Direito ao cumprimento da oferta: O CDC determina que toda oferta apresentada pela empresa precisa ser obrigatoriamente cumprida, isso vale para e-mails, anúncios no site, etc.
  • Direito à transparência na propaganda: Propaganda enganosa é proibida, tanto para empresas no comércio físico quanto online.
  • Direito de ser atendido com eficiência: Toda empresa precisa contar com uma boa central de atendimento. Inclusive, o e-commerce deve resolver a demanda de seus clientes no prazo de cinco dias.
  • Direito à segurança no pagamento e tratamento de dados: As lojas online precisam ter políticas de privacidade e proteção de dados claras, para garantir que as informações dos consumidores estejam seguras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *